quarta-feira, 9 de setembro de 2009


-Sonhei contigo, quando me davas a tua grande mão e me pedias para ir contigo. No inicio fazia-me de difícil e respondia que não ia sem saber para onde. Tu, com muita calma, um sorriso estupendo, olhos a brilhar abraçavas-me e segredavas bem no meu ouvido para confiar em ti. Afastava-me, apenas, um pouco, para continuar a sentir os teus braços colados no meu corpo, e com um olhar sereno abanava com a cabeça, num sentido de afirmação. Assim íamos nós, a tua mão direita e a minha mão esquerda agarradas, como se tivéssemos medo que um de nós se perdesse, se afastasse pura e simplesmente. Depois chegávamos ao nosso destino, um lugar calmo, sem pessoas, sem carros, sem casas. Éramos só nós ali. Olhei para ti como nunca havia olhado antes, de uma maneira inexplicável, quando de repente me dizias que aquele era o nosso lugar. Esboçava um sorriso e lançava-me para os teus braços.
-Sonhei contigo, quando acordava melancólica e depois olhava para o telemóvel e lia as tuas mensagens. Eram tão bonitas, aquelas palavras que pareciam ser verdadeiras. Levantava-me, preparava-me e ligava-te. E quando atendias, eu não queria falar só para ouvir a tua voz sem a minha interromper, para ter a certeza que estavas lá, que não tinhas desligado. A tua voz serena, logo pela manhã era reconfortante depois daqueles dias em que algo não corria bem.
-Um dia não sonhei contigo, acordei e não tinha nenhuma mensagem tua. Algo não estava bem. Mandei eu a tal mensagem e demoraste a responder, algo estranho, raro. Sabia que se passava alguma coisa mas nem quis saber pensava que eras perfeito ... mas logo a seguir percebi que não existem seres perfeitos , que todos os momentos as loucuras e ate mesmo os ciumes e discussões não tinham valido nada . Usaste, brincaste sim , porque eu deixei simplesmente . Insultei, chorei, gritei. Todos os meus actos foram de desilusão, mágoa.

-Voltei a sonhar contigo quando percebi que a culpa tinha sido minha , queria tanto que fosses perfeito que não vi que tinha criado a ilusão, que todas as coisas não feitas tinha ganhado espaço e tudo já era mais importante que nos.
Quando acordei, uma lágrima escapou e caiu pelo rosto. Mas levantei-me, fiz as coisas habituais, saí à rua, sorri e pensei 'Viver, aproveitar, sorrir, esquecer e perdoar são os meus objectivos para hoje.' Coloquei os óculos de sol e segui o meu caminho.



Tenho saudade do tempo dos sonhos .
Vou sonhar todos os dias a todas as horas so na esperança que um dia te volte a encontrar (...)

4 comentários:

  1. Aqui está o brilhante testemunho de que às vezes os sonhos pregam-nos algumas partidas...
    Grande inpiração ^^

    ResponderEliminar
  2. que grande texto, adorei *.*
    - beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Muito bonito o texto. triste mas profundo.
    beijinhos.

    ResponderEliminar